• Ageimagem

Doação de óvulos é alternativa para casais com dificuldades em ter filhos


Regulamento do Conselho de Medicina permite que mulheres doem seus óvulos durante processo de congelamento de óvulos

A Ovodoação ou doação de gametas femininos (óvulos) é uma alternativa da Medicina Reprodutiva que possibilita aos casais alcançar a maternidade. Na técnica, os gametas femininos ou óvulos de uma mulher (doadora) são doados à outra (receptora) para serem fertilizados pelo sêmen do marido da receptora ou esperma também doado.

A técnica é indicada para mulheres que não estão mais produzindo óvulos; mulheres com idade avançada, que tiveram diminuição do seu potencial de fertilização; ou mulheres que são portadoras de genes determinantes de doenças severas.

O procedimento da ovodoação funciona da seguinte maneira: a doadora de óvulos passa por uma investigação médica, psicológica e laboratorial (exames de Sorologia, hormônios, tipagem sanguínea). “No Brasil, a ovodoação costuma ser compartilhada, ou seja, a doadora também necessita realizar fertilização in vitro, geralmente por fator masculino ou tubário, e doará metade dos seus óvulos para uma receptora. Este processo de doação é anônimo, não havendo conhecimento entre os casais”, explica o Dr. Alfonso Massaguer, ginecologista, obstetra e Diretor Clínico da Clínica Mãe.

Neste caso, a doação é feita por mulheres que estão fazendo congelamento de seus óvulos, que é uma das armas para ajudar a mulher a ter filhos com mais idade e o procedimento pode ser visto como uma poupança ou seguro futuro.

“As mulheres jovens subestimam a dor da infertilidade. Se elas soubessem o sofrimento que muitas mulheres passam no momento que se deparam com uma má qualidade de seus óvulos, realizariam mais congelamentos de óvulos”, destaca especialista.

O congelamento pode ser realizado em qualquer mulher que tenha a qualidade de seus óvulos em risco, seja por cirurgia nos ovários ou quimioterapia, mas a principal indicação são as mulheres com mais de 35 anos que adiaram sua maternidade. Após esta idade, há uma queda na quantidade e qualidade dos óvulos.

Importante no tratamento de ovodoação é deixar ambas as partes confortáveis com o tratamento: a doadora deve consentir sobre o compartilhamento dos óvulos. No caso da receptora ocorre um processo psíquico muito parecido com a adoção de uma criança. A mulher, a princípio, poderá ter uma sensação de recusa, e frustração com o fato de não poder mais gerar filhos com seus próprios óvulos. Em contrapartida o fato de gestar, amamentar, e ter todas as sensações de uma gestação se tornam único.

“Em resumo devemos sempre respeitar a decisão da doadora e receptora, conquistando o objetivo: uma gravidez saudável de ambas”, destaca a Dra. Paula Fettback, ginecologista e obstetra da Clínica Mãe.

#DrAlfonsoMassaguer #ClínicaMãe #DraPaulaFettback #ginecologista #Doaçãodeóvulos #Maternidade #Gravidez

0 visualização

Ageimagem  |  São Paulo

 

Rua Jandiatuba, 630, cj 511

Centro Empresarial Jardim Sul

Morumbi  |  São Paulo

contato@ageimagem.com.br

Telefone: 11 99665-7704

Ageimagem  |  Rio de Janeiro

 

Av. das Américas, 11.365, A3 Offices - 2º Andar  |Barra da Tijuca  | Rio de Janeiro

contato@ageimagem.com.br

Telefone: 21 99717-7704

Segue nós_

  • Facebook Clean
  • YouTube Clean
  • Instagram Clean
  • Branca Ícone LinkedIn

2020 © por AgeImagem

Produzido por Dalton Wang

  • Black Instagram Icon
  • Black Facebook Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Preto Ícone YouTube