• Ageimagem

Dependentes químicos em tratamento reagem bem ao isolamento social

Programa de recuperação ajuda no processo de enfrentamento da Covid-19 e aceitação das medidas protetivas


O processo de internação de um paciente em dependência química é quase sempre doloroso para ele e sua família. O afastamento do convívio social é um dos aspectos do tratamento que mais gera resistência. O dependente químico é internado e se vê forçado a fazer renúncias pessoais como parte importante do programa de Recuperação. E é justamente nesse momento, em que toda a sociedade vem enfrentando as restrições da Pandemia, com severas implicações para a saúde mental coletiva, que o paciente em tratamento da dependência química se beneficia do processo de internação. “Para os dependentes que estão em recuperação, a pandemia não foi tão complicada como está sendo para outras pessoas. Recentemente, dei uma palestra sobre isso e falei sobre como o programa de recuperação está ajudando os pacientes em várias questões do dia a dia, e a covid foi uma dessas situações, porque o dependente químico já trabalha a humildade, a aceitação e a renúncia. E fazer a renúncia de ir para rua faz parte do processo natural do tratamento da dependência”, explica a psicóloga e especialista em dependência química, Ana Café.


Segundo a psicóloga, responsável pelo Espaço Village, clínica de reabilitação localizada no Rio de Janeiro, o isolamento social causado pela pandemia causou efeito contrário e foi prejudicial para aqueles dependentes químicos que não estão em tratamento. "Os dependentes químicos não incluídos no programa de recuperação acabam não só se prejudicando pelo agravamento da dependência, como se tornam perigosos para os seus familiares por circularem mais pelas ruas, sem proteção, para saciar os seus vícios", afirma.


Dependência química é uma doença


Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), a dependência química é tida como doença crônica, que comumente atinge indivíduos que fazem o uso constante de determinadas drogas. O portador desse tipo de distúrbio acaba por não conseguir conter o vício, afetando sua vida psíquica, emocional, física e, consequentemente, a vida social. Ana Café explica que trabalha com duas modalidades de tratamento, a voluntária e involuntária. A internação voluntária, acontece quando dependente químico tem noção de que ele precisa de ajuda e aceita fazer o tratamento da doença. Já a involuntária, é quando a família toma a decisão pelo dependente para que ele possa fazer o tratamento. “A internação involuntária é a que mais acontece, por mais que seja doloroso para a família. Porque eles precisam acionar a equipe técnica do Village, para poder internar o parente que está adoecido contra a vontade dele. Mas é importante falar que a internação involuntária só acontece quando o paciente está colocando a própria vida em risco ou quando está colocando a vida de terceiros em risco”, afirma.


A desintoxicação


Tem duração média de 30 dias. O médico é fundamental nesta fase do tratamento de dependentes químicos, e é o profissional que vai coordenar os procedimentos dirigidos à retirada das drogas ou álcool. Compreende a administração de medicamentos com o objetivo de minimizar sintomas decorrentes da retirada e o manejo das crises de abstinência que geram sintomas como ansiedade, depressão e fobias, entre outros. Além da farmacologia tradicional, o espaço dispõe de médicos homeopatas que prescrevem também esta modalidade de tratamento farmacológico. Os médicos responsáveis têm residência médica e Mestrado pela UFRJ.


Mudança no sistema de crenças e nos comportamentos associados


É a fase mais importante e tem duração de 3 a 9 meses. A maioria dos dependentes acha que pode controlar o uso de substâncias o que é uma crença comum e que não encontra respaldo científico. Adicionalmente as pessoas que desenvolvem dependências também desenvolvem maus hábitos (de alimentação, de higiene, mentiras, padrões caóticos de relacionamentos e comportamento sexual de risco entre outros). Todo o tratamento é orientado para a correção destes hábitos e comportamentos. Importante ressaltar que no momento da internação estes hábitos estão arraigados pela intensidade e tempo de uso (muitas vezes por anos) e não vão se modificar facilmente. Todo o ambiente da clínica é preparado para que se consolidem as mudanças de estilo de vida. O sistema de pontos adotado na Clínica Espaço Village tem por objetivo premiar os novos comportamentos e desestimular os antigos relacionados ao uso de álcool e drogas.


Resultado do tratamento


É variável e depende de fatores como o grau de motivação do indivíduo, o preparo e entendimento da família para lidar com o problema, o uso correto das medicações, a frequência ao pós tratamento e a frequência nos grupos de mútua ajuda como Alcoólicos Anônimos e Narcóticos Anônimos. As recaídas são comuns e para muitos indivíduos mais de uma internação pode ser necessária até a obtenção de sobriedade sustentada.


Sobre o Espaço Village

O Espaço Village é uma clínica de internação no qual ajudam no tratamento de dependentes químicos e pacientes psiquiátricos, através dos tratamentos oferecidos na clínica, por meio de atividades e terapia, além de dar apoio e orientação à família do paciente, para que o processo durante o tratamento ocorra da melhor maneira possível.


https://www.instagram.com/clinicaespacovillage/?hl=pt-br https://www.clinicaespacovillage.com/

8 visualizações0 comentário

Ageimagem  |  São Paulo

 

Rua Jandiatuba, 630, cj 511

Centro Empresarial Jardim Sul

Morumbi  |  São Paulo

contato@ageimagem.com.br

Telefone: 11 99665-7704

Ageimagem  |  Rio de Janeiro

 

Av. das Américas, 11.365, A3 Offices - 2º Andar  |Barra da Tijuca  | Rio de Janeiro

contato@ageimagem.com.br

Telefone: 21 99717-7704

Segue nós_

  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • Branca Ícone LinkedIn

2020 © por AgeImagem

Produzido por Dalton Wang

  • Black Instagram Icon
  • Black Facebook Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Preto Ícone YouTube