• Ageimagem

Inverno sem dores na coluna: como tratar os problemas crônicos que aumentam nos dias mais frios

O Dr. Rogério Vidal de Lima, ortopedista, especialista em coluna esclarece 6 dúvidas comuns dos pacientes para enfrentar os dias gelados da estação


Foto: Internet


No inverno, naturalmente, nos contraímos mais para sentir menos frio. Com isso, assumimos uma postura de contração dos músculos dos braços, aumentamos a curvatura fisiológica da coluna dorsal (corcunda), interiorizamos a coluna e conseguimos desta maneira segurar o calor do corpo. A circulação diminui, especialmente, na periferia para que o organismo possa preservar a temperatura por volta de 36,5 graus centígrados. Consequentemente, a circulação dos músculos também diminui e estes tendem a permanecer num estado contrátil por mais tempo, podendo piorar as dores de origem muscular decorrentes de "espasmos" e contraturas musculares - que são uma das dores mais incidentes no mundo -. "A circulação a nível de articulações irão ter uma diminuição da produção de líquido sinovial levando ao enrijecimento articular e dor", acrescenta o Dr. Rogério Vidal, especialista em ortopedia de coluna em São Paulo.


A contração do corpo para enfrentar o frio, que deixa músculos e articulações mais rígidos, facilita as inflamações dos nervos. O resultado é uma piora do quadro geral dos pacientes que têm um histórico de problemas ortopédicos crônicos. São comuns o agravamento de artrites, artroses, dores articulares e um aumento na frequência das lombalgias, dores na parte inferior das costas. “No caso da lombalgia, ela ocorre porque o frio provoca a contração muscular e possibilita a neurite que é a inflamação dos nervos”, explica o Dr. Rogério. O médico esclarece algumas dúvidas frequentes e dá dicas importantes para enfrentar o problema nos dias mais frios do ano.


6 dúvidas sobre dores no inverno


1- Os inchaços que ocorrem em partes do corpo, como as articulações, são um sinal de um problema ortopédico? Nem sempre, são mais significativos problemas reumatológicos, sendo importante a avaliação por parte de um especialista.


2- Como diminuir o inchaço? Vai depender da causa e é preciso atuar para eliminar a causa. uma medida simples é fazer a posição de Trendelenburg: elevar as pernas em extensão para que a força da gravidade auxilie o retorno do líquido acumulado na região inflamada. Se houver um componente vascular, as meias elásticas são indicadas, dependendo da intensidade e frequência deste inchaço. Se o problema persistir procure o médico.


3- Tomar banho quente e sair de casa em seguida pode causar algum tipo de problema ortopédico? Nenhum.


4- Quando está frio temos uma tendência de diminuir o esforço físico e ficar parado muito tempo numa posição, isso pode causar algum tipo de problema? sim, uma contratura muscular e articular de maior intensidade, gerando um círculo vicioso onde o imobilismo gera mais imobilismo e dor e imobilismo, e assim por diante.


5- Que cuidados práticos podemos tomar mesmo diminuindo a carga de exercícios? Respeite seu limite de dor e de capacidade do organismo. Sempre faça um bom aquecimento antes e após qualquer atividade física. Não se esqueça de procurar ajuda de um profissional médico para ter um bom diagnóstico e obter os melhores resultados.


6- É certo usar compressas quentes ou frias para tratar a dor nas articulações? Sim, especialmente se houver um inchaço (edema) associado, indicamos este tipo de “banho de contraste", ou seja, três minutos de calor, mais um minuto de frio, e um minuto alternando até completar trinta minutos, pois desta maneira conseguimos ativar a circulação, através da vasodilatação e vasoconstrição dos vasos e consequentemente diminuir a dor e o edema . De uma maneira geral nas dores agudas com edema geralmente orientamos o frio ou contraste e nas dores crônicas, acima de três meses de duração, sem edema ou calor e se houver inchaço a compressa fria. O tempo terapêutico é de vinte a trinta minutos.


Dr. Rogério Vidal de Lima – Ortopedista - www.rogeriovidal.com.br

Dr. Rogério Vidal de Lima é especialista em Coluna pelo Hospital das Clínicas – SP, membro da SBOT - Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, membro da Sociedade Brasileira de Patologias da Coluna e ainda da International Affiliate Membership of AAOS – American Academy of Orthopaedic Surgeons.

0 visualização0 comentário