• Ageimagem

Os perigos da maternidade idealizada nas redes sociais

Há uma discrepância sentida pelas mulheres entre o que vivenciam na maternidade

e as imagens e discursos sociais idealizados sobre a maternidade


Foto: Internet


Mães felizes o tempo inteiro, bebês arrumadinhos e uma maternidade sem problemas. Essa é a cena da maternidade que vigora nas redes sociais e na mídia convencional. Porém, o cenário perfeito é apenas aparente e não real, evidenciando, inclusive, aspectos narcisistas primitivos que denunciam a necessidade do olhar do outro para a validação das experiências.

O processo da maternidade natural e sua relação com as redes é abordado pela psicóloga Kênia Gondo, no Portal Macetes de Mãe. O artigo chama atenção para alguns estudos sobre os aspectos que traduzem a inveja e o narcisismo nas redes sociais. Tratam-se de espaços virtuais que reforçam a cultura de valorização da imagem, aquela que prioriza mostrar o que se deseja ser em vez do que se é.

A relação mãe-bebê está cada vez mais exposta nas redes sociais e o olhar do outro é percebido como um balizador capaz de conferir, ou não, valor às experiências alheias. Essa configuração expõe a discrepância sentida pelas mulheres entre o que vivenciam na experiência da maternidade e as imagens e discursos sociais idealizados sobre a maternidade.

De acordo com Kênia, a sociedade em geral, filmes, revistas, vídeos e fotos promovem o discurso da maternidade perfeita. “Todas essas informações deixam as mulheres frustradas e infelizes. Não permita que as comparações irreais e as pressões sociais retirem sua autoestima e afetem a sua saúde mental”, alerta.

A recomendação é para que se desenvolva uma rotina de autocuidado, com tempo de qualidade para si mesma. Além disso, Kênia é enfática sobre a importância de procurar ajuda profissional “caso seja necessário aprender a gerenciar as emoções e a descobrir formas de viver com maior equilíbrio e qualidade de vida”.

A psicóloga explica, ainda, porque a terapia é tão importante. Veja abaixo quais foram os fatores destacados.

  • Desenvolve a autoestima e a autoconfiança materna;

  • Cria estratégias de pilares de saúde (sono, alimentação, esporte, rotina saudável, sociabilidade saudável, autocuidado, metas realísticas);

  • Promove a conscientização e assertividade na formação dos filhos;

  • Favorece a auto compaixão e aceitação das inabilidades dos outros;

  • Aumenta a plasticidade neuronal para novos desafios;

  • Desenvolve a comunicação assertiva;

  • Constrói comportamentos mais adaptativos frente a dinâmica familiar;

  • Possibilita o autoconhecimento e o aumento da energia mental;

Quer saber mais? Leia a reportagem completa em: Portal Macetes de Mãe


3 visualizações0 comentário