Técnica conquistou a atriz Gwyneth Paltrow, mas especialistas divergem sobre a eficácia e os benefícios do procedimento

Matéria do Portal IG Saúde 

 

É só uma personalidade famosa aderir a um procedimento que, quase que instantaneamente, ele se populariza ou, pelo menos, atiça a curiosidade do público.

 

 

Dessa vez, o assunto é controverso: a atriz americana Gwyneth Paltrow declarou que é adepta da técnica de vaporização vaginal, em que a mulher senta em uma espécie de minitrono com ervas fumegantes sendo projetadas para cima juntamente com raios infravermelhos. No caso da atriz, a erva usada é a Artemísia. Segundo ela, o procedimento “limpa o útero e regula os hormônios”.

 

O ginecologista Paulo Gallo, diretor-médico do Vida, Centro de Fertilidade da Rede D’Or, rebate a afirmação: “Bobagem. Isso não tem absolutamente nenhum embasamento científico”.

 

Além de regular os hormônios, essa terapia inusitada promete também regular a menstruação e aumentar a fertilidade. Gallo explica que as promessas não têm fundamento. “Só vai esquentar a vagina ou deixar um cheiro diferente”, diz.

 

O médico explica que o útero não precisa de limpeza. “Ele descama mensalmente, o endométrio se renova para preparar o útero para receber um embrião. Com ou sem ervas, isso vai acontecer”, conta. “Além disso, o vapor só chegará até a vagina. Não vai conseguir passar pelo colo do útero, que é uma cavidade virtual e só existe se for expandida sob pressão”.

 

Gallo explica ainda que as causas da infertilidade são muitas e não há um produto, natural ou artificial, específico capaz de resolver todo o problema. “Pode ser por problemas tubários, como obstrução da trompa, problemas hormonais que prejudicam a ovulação, fatores anatômicos, miomas, endometriose. As razões que causam a infertilidade são diversas”, explica.

 

Risco x benefício

 

O diretor-médico do Vida alerta que essa prática pode trazer riscos à saúde. “Pode prejudicar, em vez de ajudar”, diz ele. A razão? Uma possível alteração no pH vaginal. “A vagina tem bactérias que a protegem, os lactobacilos vaginalis. Eles produzem um pH adequado que combate o crescimento de outras bactérias”, explica o médico.

 

“O vapor das ervas pode até alterar a flora vaginal e deixa-la à mercê de bactérias”, conta.

 

Já o ginecologista Alfonso, membro da Federação Brasileira da Associação de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), vê algum aproveitamento ao menos no relaxamento causado pela “sauna” íntima.

 

“Alguns banhos relaxantes podem ajudar a reduzir o stress, e assim auxiliar em uma melhor ovulação e consequente fertilidade. A vulva, que é a parte externa da vagina, merece os mesmos cuidados dermatológicos que a mão ou rosto, por exemplo. Uma vulva bonita reflete uma mulher saudável e atraente”, completa.

 

Please reload

DEU NA MÍDIA

Descubra a relação entre a trombose e a COVID-19 c...

1/10
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Please reload

Arquivo
Please reload

Ageimagem  |  Comunicação

 

Rua Jandiatuba, 630, cj 511

Centro Empresarial Jardim Sul

Morumbi  |  São Paulo  |  Brasil

Telefone: 11 2985-9823/9824

contato@ageimagem.com.br

Av. das Américas, 11.365, A3 Offices - 2º Andar  |Barra da Tijuca  | Rio de Janeiro

Telefone: 21 2146-2337/2143-0128

contato@ageimagem.com.br

  • Facebook Clean
  • YouTube Clean
  • Instagram Clean

2020 © por AgeImagem